sábado, 2 de abril de 2011

Mais um texto sobre a FCCR.





"Aos amigos tudo, aos inimigos o rigor da lei" 

ou traduzindo em linguagem Cassiana

"À Cristina Cará respeito ao Projeto, aos monitores de artes os rigores do edital".


Olá Amigos

Assunto: Marcada a reunião com Arte-educadores com o chefe da Ação Cultural Descentralizada.

Dando continuidade ao assunto, na carta aberta aos arte-educadores, gostaria de informar que marcamos uma REUNIÃO COM O SR. ALEX, ATUAL CHEFE DO DEPTO. DE AÇÃO CULTURAL DESCENTRALIZADA PARA SEGUNDA FEIRA ÀS 14HS para conversarmos sobre o assunto.

Ontem, sexta feira, houve a reunião para atribuição de aulas, na qual os orientadores de teatro questionaram o Quadro de Avaliação  e foi chamado a Sra. Fernanda para nos esclarecer sobre a proposta. Iniciamos a discussão com o bom e velho (porque já se tornou recorrente na FCCR), "quando vcs se inscreveram no credenciamento, vcs concordaram com isso, pois está tudo la" por isso não teríamos o que reclamar ou, seja, ENGULAM E NÃO RECLAMEM.

Por fim, A MAIORIA DOS ORIENTADORES DE TEATRO OPTOU POR NÃO ASSINAR O TERMO DE CREDENCIAMENTO PARA AS AULAS, mas fazendo valer um prerrogativa do próprio termo, deixamos para assinar o contrato, depois da reunião de segunda. A Sra. Fernanda, expressou contrariedade com a reunião e já disse que não mudará nada, só por causa dos monitores de teatro. Se quisermos alguma alteração, teremos que fazer uma pedido por escrito, colocando nossos questionamentos "tecnicamente", ela analisará e dará uma parecer, apesar de já termos passado dos prazos para isso. Se posicionou e nos tratou como quem realmente manda, por isso, desautorizou a reunião marcada pelo Chefe da ACD, mas apesar disso, ele se dispôs a pelo menos nos ouvir.   

A Sra. Fernanda ficou muito incomodada com nossas colocações e as considerou impertinentes, ou como diríamos no popular, tempestade em copo d´agua. Postura compartilhada pelo diretor cultural Claudio Mendel, pela rudeza com que tratou minha colocações sobre a mesma questão, só que sem as explicações técnicas que ela deu.

Esse assunto é muito longo, mas vou escrever um outro texto com minhas impressões sobre como a suposta tecnicalidade imparcial que tem sido O DISCURSO DA INSTITUIÇÃO SIGNIFICA A MORTE DA POLÍTICA (ISTO É, DO DIÁLOGO SOBRE A CULTURA DA CIDADE) E SE TRANSFORMOU NA BRUTALIDADE DA BUROCRACIA (via Hanna Arendt).    


PS. Jacque li a carta do Bola de Meia à FCCR sobre a questão do conselho e ela apena reafirma minhas impressões. Gostaria de colocá-las com mais vagar num próximo email.

PS2. Pessoal, me desculpe os longos email, mas estou dando aulas nos dias das reuniões e não posso participar. Por enquanto, gostaria de participar apenas pela nossa rede virtual. abçs. 

Att.


Fernando Rodrigues
Ator, diretor e professor de teatro
Bacharel em Direção teatral pela USP e Mestre em Pedagogia do teatro pela mesma instituição.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário