domingo, 25 de março de 2012

REFUNDAÇÃO UNIVAP POR TODOS, por Profº. Aquino.

Só estou divulgando:


Prezados Senhores e Senhoras,  

Peço licença para o envio de minha Proposta como Candidato à Reitoria da Univap, para sua qualificada leitura. Seguem dois anexos: 1) O Plano de Trabalho, com diretrizes gerais e, 2) A Concepção de Universidade que o fundamenta. 

Ao compartilhar estas ideias e esta visão com vocês, minha intenção é que possa haver uma adesão natural e soberana à proposta, pois só assim poderia pedir o apoio a minha Candidatura à Reitoria da Univap. Se isso realmente existir, peço a gentileza de divulgá-la. Porém, independente do resultado deste processo, estou otimista, pois os candidatos são qualificados e isso com certeza irá garantir uma Univap com futuro promissor. 

Fico à disposição para qualquer esclarecimento. 

Prof. Luiz Carlos Andrade de Aquino, Me. 
Diretor Acadêmico da Faculdade de Direito 

Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP. 

REFUNDAÇÃO UNIVAP POR TODOS

Prof. Luiz Carlos Andrade de Aquino, Me.

Esta candidatura tem como lema “REFUNDAÇÃO UNIVAP POR TODOS”, pois acredito que é possível, neste claro processo de mudança ainda em curso, refundar o papel de nossa universidade, possibilitando-a, efetivamente, cumprir com excelência sua função social com respeito à diversidade. É uma candidatura fruto de um projeto coletivo de mudança iniciado no último ano e que culminou no novo Estatuto da FVE.
Acredito que somente de forma coletiva poderemos forjar uma Universidade Comunitária de Excelência e que seja referência nacional no campo do ensino, da pesquisa e da extensão voltada para a comunidade. A integração de nossa tríplice função deve estar a serviço da emancipação e desenvolvimento social.

A proposta de trabalho que apresento está em absoluta consonância com as finalidades fundacionais da FVE, previstas em seu Novo Estatuto e vem ao encontro, de forma muito coerente, com o trabalho que nós, docentes, funcionários e alunos, aqui realizamos e queremos ver valorizado e reconhecido.

A operacionalização destes valores deve se cristalizar nos Colegiados Universitários, através de um processo livre de discussão, com a formação de fóruns e grupos de trabalho, dando continuidade e ampliando um processo de convencimento e deliberação inaugurado de forma inédita na mantenedora e sua mantida, a exemplo da atual Presidência e Reitoria. Portanto, esta candidatura assume, publicamente, o compromisso em trabalhar de forma coletiva para:

1. Uma Universidade comunitária plural e democrática.
2. Reconhecer e aperfeiçoar os colegiados acadêmicos como órgãos livres e legítimos de decisões.
3. Implantar o Planejamento Estratégico e o Orçamento Participativo, em conjunto com a FVE.
4. Buscar a excelência no ensino, na pesquisa e na extensão.
5. Adequar o Estatuto da Univap ao Novo Estatuto da Mantenedora.
6. Revisar e adequar o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) com a missão da Univap.
7. Revisar e aperfeiçoar o Regimento Geral da Univap.
8. Buscar e usar os recursos econômicos e financeiros da FVE de forma responsável.
9. Aperfeiçoar os mecanismos de seleção de alunos, buscando aprimorar sua formação técnica e cultural.
10.Valorizar os talentos humanos internos (corpo docente e técnico-administrativo) e o patrimônio material da Univap.

Devemos construir nosso próprio modelo a partir de nossa realidade e dos valiosos talentos humanos e materiais que possuímos. Devemos e podemos propor mudanças substanciais em nossa tríplice função, fortalecendo os colegiados e, portanto, o diálogo e a participação de todos. A responsabilidade, a ética, o diálogo, a segurança jurídica e os investimentos baseados em planos estratégicos, se constituem como instrumentos necessários para buscarmos a sustentabilidade para realizar este projeto de inovação comunitária.

A Universidade é o local da crítica, do debate, dos argumentos e da natural e saudável pluralidade de visões. Porém, essas visões devem se ajustar aos valores e finalidades da FVE, pois nossa autonomia universitária, reconhecida legalmente, tem sua legitimidade a partir da missão de sua mantenedora.
Nesse sentido, esta candidatura apela para a construção de um diálogo harmônico com a FVE e, ainda, para a existência de decisões colegiadas, com ética e responsabilidade, ciente dos limitados recursos e da contínua busca pela sustentabilidade econômica para ampliar nossa inserção produtiva na comunidade.

É preciso ressaltar, ainda, a necessidade da Univap contribuir para o fortalecimento das Instituições de Ensino Básico (fundamental e médio), suas co-irmãs enquanto unidades de atividade-fim da FVE, estabelecendo relações estratégicas na formulação de projetos pedagógicos e colocando seus talentos humanos e conhecimento à serviço da formação integral do aluno, desde as séries iniciais até a pós-graduação, buscando a efetiva articulação do sistema de ensino FVE.

São inúmeras as atribuições de um Reitor e, considerando nosso momento institucional, ele deve possuir a competência em gestão e ser o maestro da mudança que queremos realizar. A capacidade de diálogo, de articulação, de trabalho em equipe, de condução dos distintos e legítimos interesses dentro da Universidade, são habilidades essenciais a quem ocupar este cargo. Devemos fortalecer este campo de mudanças para construirmos novas e promissoras alternativas de futuro à Univap.

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DE EXCELÊNCIA

A) DIRETRIZES PARA A VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA UNIVAP

1. Estabelecer critérios objetivos para classificação de professores e funcionários, visando eliminar de forma gradual, porém definitiva, as distorções ora existentes.

2. Valorizar no Plano de Carreira o professor que publique ou apresente trabalhos em Congressos Nacionais e Internacionais, particularmente trabalhos que tenham a participação de alunos (Critério de avaliação da Capes para os cursos de pós-graduação).

3. Estabelecer planos que incentivem a qualificação/treinamento de docentes e funcionários, que devem incluir o corpo técnico-adminitrativo diretamente ligado ao atendimento de alunos, aqui concebido como exercendo uma atividade-fim.

4. Garantir limitada autonomia orçamentária aos Diretores das Faculdades e do IP&D.

5. Reconhecer, apoiar e estimular os órgãos de representação discente, ampliando o diálogo com os alunos.

6. Reformular e ampliar a relação com ex-alunos, reintegrando-os à Universidade através de
programas e projetos, visando a educação continuada e a empregabilidade.

7. Repensar a estrutura institucional de cursos e faculdades.

8. Estabelecer processo de eleição, com ampla participação da comunidade acadêmica, para a escolha de Diretores e Coordenadores de Curso, com fixação de mandatos.

B) DIRETRIZES PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO

1. Realizar a inclusão sócio-econômica e cultural do aluno, viabilizando sua dedicação substantiva aos estudos e apreensão da cultura produzida em moldes eruditos.

2. Difundir a cultura erudita dentro da comunidade acadêmica (Há estudos que atestam a relação entre o domínio de um código erudito – literatura, cinema, teatro, música, artes plásticas – e o desempenho acadêmico dos alunos). Participação da Universidade na difusão artística dirigida à população das cidades que abrigam os campi da Univap e criação de espaços de convivência estudantil entre os alunos de diferentes cursos.

3. Estimular fortemente a iniciação científica na graduação.

4. Investir fortemente na infraestrutura (biblioteca, laboratórios, equipamentos em sala de aula, acesso às redes de informação e comunicação) e nos serviços de segurança e limpeza.

5. Ampliar o uso de ferramentas virtuais (AVA) no processo de ensino.

6. Ampliar de forma racional o número de professores em tempo integral e/ou parcial, dando suporte a atividades de iniciação científica e de desenvolvimento nas Faculdades e IP&D.

7. Estimular a conversão de professores horistas em tempo parcial, dirigido particularmente
para casos em que a prática profissional externa à Universidade representa uma contribuição importante à formação dos alunos e desenvolvimento de projetos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário