sábado, 26 de março de 2011

Incineração não é solução!


Que ar você quer respirar?

A Prefeitura Municipal de São José dos Campos distribuiu neste mês um jornal relatando as maravilhas da incineração do lixo e a incrível forma de fazer aquilo que foi descartado virar energia.

O que a Prefeitura não mostra é que a incineração e instalação de termelétricas, além de ilegal, é um risco à saúde da população e ao meio ambiente. E para conseguir instalar esse sistema, já proibido em diversos países da Europa, querem mudar a lei orgânica do município.

“A queima do lixo, além de ser uma tecnologia cara, joga através das chaminés destes equipamentos (mesmo com a utilização de filtros) uma grande quantidade de resíduos altamente tóxicos e cancerígenos na atmosfera. Isto sem mencionar o fato do CO2 que contribuiria para aumentar a poluição no município e que conforme informa a CETESB já esta saturado, ampliando o efeito estufa e o aquecimento global, piorando as mudanças climáticas! Entre as substancias geradas pelos incineradores estão os metais pesados, os produtos de combustão incompleta e as substâncias químicas novas formadas durante o processo de incineração. As dioxinas e furanos formados durante o processo de combustão do lixo são os mais tóxicos conhecidos no planeta, causando riscos a saúde como problemas respiratórios e câncer, além de se acumular no solo, lençol freático, contaminando o meio ambiente.” O alerta é feito pelo engenheiro e especialista ambiental e membro do Fórum Permanente em Defesa da Vida, Vicente Cioffi, que também relata: “em 2006 a França comprovou a contaminação da população no entorno da termelétrica. Quase todos os casos eram de câncer”.

A instalação da termelétrica em São José não é uma exclusividade da cidade. O governo do estado de São Paulo elaborou um plano para a construção de grandes usinas de incineração de lixo. Em todo o estado, a justificativa é sempre a mesma: falta de espaço para aterros, principalmente em regiões metropolitanas e no litoral norte do estado, e a necessidade de geração de energia.

Com a ampliação do debate na sociedade, vem crescendo o número de pessoas contrárias à instalação dos incineradores, alegando esta ser a última solução, conforme propõe a Política Nacional de Resíduos Sólidos, regulamentada por decreto no final de 2010.

O Decreto inclui a não geração do lixo, a redução, a reutilização, a reciclagem e o tratamento de resíduos sólidos como opções prioritárias. Também foram determinadas penalidades para quem não cumprir a coleta seletiva (não há em 44% dos municípios brasileiros) e a logística reversa, ou seja, o retorno obrigatório aos fabricantes de itens como pilhas, pneus e produtos eletrônicos. Foram previstas multas de até R$ 50 milhões para quem lançar resíduos em locais como praias ou não der destinação adequada a resíduos perigosos.

São várias ações incentivando a conscientização para um país limpo e sustentável, e o governo do estado de São Paulo faz o caminho contrário, propondo alterações nas leis para se esquivar da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

São José não comporta incineradores e termelétricas!

As características geográficas de São José dos Campos não são adequadas para a instalação de incineradores de lixo. São José está localizada num vale, entre as serras do Mar e da Mantiqueira.

De acordo com pesquisadores do INPE, durante grande parte do ano não há vento na região para a dispersão dos poluentes causados pela Petrobrás, rodovia Dutra e pela expansão urbana.

O engenheiro e ambientalista Gabriel Alves da Silva Junior faz uma previsão nada otimista para a cidade, caso haja a instalação da usina: “São José vai ficar pior do que foi Cubatão, teremos ilhas de concentração de resíduos químicos”.

Uma das grandes preocupações dos ambientalistas é a diferença do lixo gerado na Europa, que utiliza a incineração, e o lixo brasileiro. Nos países da Europa todo lixo incinerado é considerado lixo seco, enquanto no Brasil mais de 60% é lixo orgânico. Essa particularidade atrapalha a queima, encarece os custos, aumenta a emissão de toxinas cancerígenas e produz escória perigosa, com metais pesados e outros tóxicos que acabaram por ser aterrados, correndo o risco de contaminação ao ambiente.

As tecnologias utilizadas na incineração e nas termelétricas, por mais avançadas, não estão isentas de comprometer a qualidade do ar, emitindo na atmosfera gás carbônico e óxido de nitrogênio, responsáveis pelo agravamento do aquecimento global, chuvas ácidas e incidência de raios (problemas já frequentes no município).

Com relação à saúde da população, São José dos Campos já apresentou um aumento em 30% de patologias relacionadas com a péssima qualidade do ar: asma, bronquite, rinite alérgica, pneumonia, câncer de pulmão e enfartos.

O que fazer com o lixo?

A solução para o lixo apresentada pela prefeitura é cara, perigosa, só gera danos à saúde e ao meio ambiente, além de estimular um consumismo absurdo (porque as pessoas perdem o peso na consciência de desperdiçar alimentos e param de reciclar, já que tudo “vai virar energia mesmo”).

A solução do lixo é super simples: reciclar e reaproveitar. Tudo é reaproveitável! O lixo orgânico como adubo (e o Brasil poderia deixar de importar adubo - é um dos maiores importadores mundiais) e o lixo reciclável, cada um com seu destino. Algumas coisas como pneu e pilhas não são recicláveis, esses fazem parte da política reversa, ou seja, o fabricante é responsável. A gente devolve o produto usado pro fabricante e ele deve arrumar uma destinação. No caso de pneus por exemplo, alguns são triturados e transformados em asfalto, outros são cortados ao meio e usados em contenção de encostas...

Seguir a Política Nacional de Resíduos Sólidos, incentivando a criação de cooperativas de reciclagem é um bom começo para solucionar o problema do lixo em qualquer cidade.



6 comentários:

  1. Tu votou nesse prefeito... DUAS vezes.

    ResponderExcluir
  2. Oi Michele. Dessa culpa eu estou livre!

    ResponderExcluir
  3. Voltei porque sei que vai gerar polêmica esse meu comentário. Eu quis te cutucar, Julio, e você sabe disso.

    Não tenho a pretensão de dizer que meu voto é mais certo, nem que os políticos que defendo são os melhores. Apenas quero alertar para a responsabilidade que cada um de nós temos na vida de nossas cidades.

    Se Cury foi eleito duas vezes é porque os munícipes aprovaram as condutas dele com relação à cidade e você foi um deles.

    É claro que é válido mudar de opinião quando as condutas não mais condizem com o que acreditamos como o melhor, mas infelizmente quando se trata de mandatos eleitorais só é possível mudar na próxima eleição.

    Lutar para que as coisas erradas não se tornem Leis é um passo importante. A mobilização popular é "a luz no fim do túnel". Também sou contra a instalação de termelétricas. Apoio esta luta, assim como a questão do fundo cultural.

    O que questiono é: Cury NUNCA foi amigo do povo, nem da cultura, então como pode você ter acreditado nele?

    O PSDB, meu caro, é podre. E isso é fato.

    ResponderExcluir
  4. Oi Fernanda! Agora que vi que o texto é seu, não foi pra você o comentário! Quis provocar o Julio, rusguinha "antiga" da época da eleição de Dilma...

    ResponderExcluir
  5. Oi Michele, espero que esteja bem! Gostei dessa provocação, porquê pode servir para que outras pessoas passem a ver o mal direcionamento de nossa cidade.
    Acredito que todas as pessoas possam transformar suas realidades, a partir de seus mais sinceros sentimentos! O importante é o coração.

    bjbj

    ResponderExcluir
  6. Estive no WORKSHOP na Câmara Municipal de SJCampos. O fato, é que a prefeitura já decidiu por esse sistema de Incinerador com possibilidade de implantação da Termelétrica.
    Pelo meu entendimento é a solução ideal para destinar o lixo de toda e qualquer cidade, no entanto o perigo de aumentar a poluição é real, mesmo com a fiscalização da CETESB, afinal, temos o maior dos exemplos, a REVAP.

    ResponderExcluir